30/06/2021
Os imóveis do futuro

Compartilhe

Os novos empreendimentos estão aderindo a um tipo de vida que não existia dez anos atrás. Tanto na parte tecnológica quanto em mudanças sociais, os imóveis devem buscar se antecipar a esses movimentos que ocorrem de tempos em tempos, para buscar entrar, atender e surfar o quanto antes em ondas que podem trazer grandes rentabilidades.

Apresentaremos dois posts sobre o tema: neste primeiro falaremos das mudanças tecnológicas e as inovações que estão surgindo; no segundo (confira em nossa próxima publicação) comentaremos sobre o reflexo das mudanças na sociedade brasileira nos empreendimentos imobiliários e como a pandemia do COVID-19 afetará tais movimentos que estávamos acompanhando nos últimos anos.

Smartphones em nossas casas

Há uma década atrás, começamos a ficar dependentes de um celular conectado. Hoje, existem mais linhas de celulares do que pessoas no Brasil. Isto acabou o transformando em um pilar de sustentação da sociedade, promovendo a manutenção das relações interpessoais e da força de trabalho, mesmo à distância. Atualmente controlamos nossas contas bancárias, as atividades físicas, estudos, etc., através de um único aparelho, que acima de tudo, se tornou nossa central de informação, comunicação e entretenimento.

Com o advento do COVID-19, muitas pessoas acabaram ao passar mais tempo em casa em quarentena e perceberam como diversas tecnologias facilitam nossas vidas, exemplos como o espelhamento da tela do smartphone na televisão para assistir a uma live, participar de uma videoconferência ou ver exemplos de exercícios físicos. Entretanto, dentro de suas próprias casas, não se verificou muita tecnologia.

A Automação Residencial ainda não atinge 1% das residências brasileiras, mas este cenário deverá mudar rapidamente. Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos a participação de casas inteligentes – aquelas monitoradas por algum tipo de aplicativo – passa de 20%. Ainda estamos engatinhando nessa mudança tecnológica que ocorrerá em nossos lares nos próximos anos.

Tecnologias utilizadas

Ao analisarmos esse cenário de congruência de tecnologias em seu smartphone, é reforçada a necessidade de criar, cada vez mais, um “ecossistema tecnológico”. Para isso, três tecnologias serão essenciais nos próximos anos: Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (AI) e Internet 5G.

Em lares mais tecnológicos, o smartphone já é usado para funções de iluminação, segurança, áudio e vídeo e climatização, controlando aparelhos como lâmpadas, televisores, ar-condicionado, geladeira e máquina de lavar e secar. Com a Internet das Coisas ganhando peso, a casa conectada será um requisito indispensável. Essa evolução tecnológica é rápida e levará grande parte dos equipamentos de hoje a ficarem obsoletos em meia dúzia de anos.

Com o crescimento da oferta de novos sensores e o desenvolvimento de assistentes pessoais, que utilizam a Inteligência Artificial para auxiliar na organização da sua vida, controlando suas tarefas diárias, compras de supermercados e até medindo o consumo de energia elétrica e de água, as possibilidades são cada vez maiores e mais acessíveis, pois o custo desses aparelhos vem despencando ao longo do tempo.

Já a Internet 5G, uma realidade em diversos países desenvolvidos, deve chegar ao Brasil no próximo ano e servirá para aumentar a velocidade de transmissão de dados comparados com a internet que temos atualmente. Isto transformará todo o controle do ecossistema tecnológico que teremos em nossas casas, com informações praticamente instantâneas. Ainda assim, com a internet atual se consegue fazer muita coisa para tornar a sua casa inteligente.

Imóveis de um futuro não tão distante

Em breve, os condomínios inteligentes incrementarão a segurança e controle de desperdícios e essas tecnologias serão fundamentais para otimizar e reduzir custos. Automação e sustentabilidade estão se tornando pré-requisitos para as edificações modernas, com sistemas inteligentes de controle de energia e reutilização de água.

Outra necessidade que condomínios de alto padrão estão antecipando são vagas de garagem com ponto de energia. Carros elétricos ou híbridos ainda estão longe de terem aplicação maciça – compõem menos de 0,5% do mercado nacional, mas esse número é maior em segmentos de luxo. E você pode controlar tudo de casa, com seu smartphone.

O que se observa mundo afora?

Empresas europeias e asiáticas definiram um público alvo para iniciar a transformação das casas: geração dos Millennials – pessoas entre os 27 e os 36 anos de idade. Pesquisas informam que os Millennials se encontram muito entusiasmados com a tecnologia de automação residencial, sendo que atualmente 38% optou por casas inteligentes ou instalou esse tipo de tecnologia. Um estudo semelhante na Europa, revelou que 72% das pessoas desta geração estão dispostas a pagar um valor superior por uma casa que esteja equipada com tecnologia inteligente.

Concluiu-se que, para os Millennials, a importância da Internet das Coisas (IoT) e da qualidade ambiental nos espaços interiores são uma das mais importantes tendências do atual mercado imobiliário.

E no Brasil?

Estima-se que mais de 90% dos consumidores brasileiros sabem ou ouviram falar de casa inteligente. Além disso, a maioria (57%) acredita que a automação residencial terá impacto em suas vidas nos próximos cinco anos. Gigantes internacionais e empresas brasileiras de tecnologia já possuem produtos disponíveis para venda suficientes para melhorar a vida das pessoas, trazendo segurança, economia e praticidade a sua casa.

Respondendo à pergunta inicial

A casa inteligente e conectada se tornará democrática em breve. Tudo começa com o seu smartphone, em que significativa parcela da população tem acesso, e um aplicativo para controlar algum item dentro de sua casa. Assistentes virtuais conectam-se em diversos eletrodomésticos e estão cada vez mais baratos. Isso abre portas para um nível ainda maior de automação residencial no país. E para quem gostou da ideia e quer aumentar aquele 1% de casas inteligentes no Brasil, fique sabendo: você não precisa gastar rios de dinheiro e transformar sua casa do dia para a noite. Estudos mostram que cada cômodo automatizado pode custar a partir de R$ 500,00. Entre tantas dúvidas sobre o que está por vir, uma certeza é que as pessoas sairão mais tecnológicas no pós pandemia.

A Lidderar está continuamente estudando o mercado e suas nuances, para buscar o melhor negócio e manter a carteira imobiliária de seus clientes acompanhando as tendências. Qualquer dúvida sobre os temas aqui tratados, por favor, entre em contato conosco que estaremos totalmente disponíveis para lhe ajudar.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *