29/06/2021
Comprar Imóvel: É um bom momento?

Compartilhe

A pandemia do COVID-19 interrompeu uma retomada do mercado imobiliário, verificada ao longo de 2019 e no começo deste ano – e muito aguardada pelo setor, após cinco anos de ciclos em queda de demanda. Entretanto, não se verificou grandes efeitos negativos na venda e locação de imóveis, pois umas das medidas que o governo tomou para conter os impactos da pandemia na economia, foi reduzir a taxa Selic para 2% ao ano, a menor taxa da história da economia brasileira. Este cenário facilita a compra de imóveis, independente de qual objetivo, moradia ou investimento, por facilitar o acesso ao crédito.

Neste artigo, buscamos informações de especialistas para responder a esta pergunta, tanto do ponto de vista do investidor, quanto da pessoa adquirindo uma moradia própria.

Dados animadores para comprar imóvel

Depois de uma acentuada queda na comercialização de imóveis entre o final de março e abril deste ano, as vendas começaram a se recuperar em maio. Para os especialistas, um cenário realmente favorável foi observado a partir de julho, onde agosto bateu recordes e setembro teve um forte resultado. Em números, de acordo com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), as vendas de imóveis no segundo trimestre de 2020 registraram alta de 10,5% em relação ao mesmo período de 2019.

Com isto, a pergunta que se faz é quem está comprando imóveis mesmo em tempos de pandemia? Segundo o mais recente estudo divulgado pelo Fipe/Zap, que mostra dados sobre o setor imobiliário no 2º Trimestre de 2020, a maioria continua comprando para morar (58%). Porém e os que querem investir?

Figura 1: Fonte Fipe/Zap.

Os investidores foram parte bem relevante, com 42%. O percentual de compras para investimento vinha de alta desde maio de 2019, quando atingiu o menor patamar histórico. Este movimento, mesmo com uma pequena queda devida à pandemia, demonstra um apetite maior dos investidores em relação a uma boa parte dos anos de 2018 e 2019. Um sinal de reversão de queda que pode ser verificado desde 2014.

Existem oportunidades?

Pelo fato do desemprego estar em alta (quase 14 milhões de desempregados, de acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE), faz com que os valores dos imóveis continuem depreciados, pois houve queda de preços em diversas cidades nos últimos anos. Entretanto, já está se observando um aumento nos preços, e essa tendência deve continuar, vista a quantidade e facilidade do crédito imobiliário disponível.

Especialistas também consideram que, com o isolamento social e a ampla adoção do home office, a relação das pessoas com seus imóveis foi fortalecida, provocando uma mudança no perfil dos imóveis buscados. Muitos moradores recentemente passaram a buscar moradias com mais espaço, mesmo que em detrimento da localização. Já empresas seguem fluxo contrário, buscando espaços mais compactos, o que movimentou o mercado como um todo.

Dado o exposto, podemos dizer que os motivos que levam uma pessoa a comprar imóvel para moradia são:

– A possibilidade da parcela de um contrato de 30 anos custar menos do que o valor de um aluguel: um ponto é que, com a crise gerada pela pandemia, muitas dúvidas surgem quanto a situação econômica do País e se é o momento certo de investir, então cautela e muito estudo são necessários antes de dar este passo.

– Em um momento de pandemia como o que vivemos atualmente, o valor de ter sua casa própria fica ainda mais evidente, pois ter um imóvel significa segurança, patrimônio e moradia garantida.

Já os motivos que levam uma pessoa a comprar imóvel para investir hoje em dia podem ser diversos, como:

– Para quem busca diversidade e segurança, a hora é excelente para se investir em imóveis. Baixa taxa de juros, déficit habitacional ainda muito grande e mercado em ascensão, colocam os imóveis como uma opção de diversidade importante para os investidores.

-Nos últimos 10 anos, os imóveis tiveram uma valorização média de 9,4% ao ano, rendimento 44% maior que o gerado pela poupança, por exemplo.

-Os imóveis podem assegurar aos investidores uma renda mensal via aluguel e essa renda se torna ainda mais valiosa com a queda na taxa de juros. Com o surgimento de novas empresas que facilitam o processo de locação, a iniciativa demanda menos gestão e traz mais segurança ao investidor. Considerando os últimos 10 anos, a valorização e a renda oriunda do aluguel, chegou-se a ganhar na média 15,3% a.a.

Oportunidades sempre irão existir. O momento ideal para cada tipo de comprador vai depender dos motivos de atenção citados, aliados à uma boa pesquisa de mercado.

Análises para comprar imóvel

Para o investidor, o importante é analisar a capacidade de ganho e de liquidez de um ativo imobiliário. Além da valorização do imóvel, a estimativa média de mercado traz uma rentabilidade advinda de aluguel entre 0,3% a 0,6% ao mês. É um ganho interessante na comparação com o CDI atual, mesmo considerando a dificuldade de reajustar os contratos de aluguel seguindo os índices combinados em contrato. Neste momento, a negociação pode ser o melhor caminho para as carteiras não perderem inquilinos e rentabilidade.

Localização é um outro fator que impacta muito na liquidez quando se trata de grandes cidades. Buscar por bairros de fácil acesso, com boa oferta de transporte público e um bom mix de serviços faz toda a diferença.

Também é preciso avaliar o perfil da demanda de cada região. De acordo com estudos realizados em grandes regiões metropolitanas, um imóvel de um dormitório é alugado quase 10% mais rápido do que a média geral. Já um imóvel de dois quartos, leva até 5% a mais de tempo para ser locado. A vacância dos imóveis muitas vezes não é levada em consideração quando se calcula a rentabilidade do imóvel.

Aos itens descritos anteriormente, adiciona-se a demanda reprimida no Brasil. Mesmo com diversos planos de moradias em massa nos últimos governos, como o Minha Casa Minha Vida e Casa Verde Amarela, existe a necessidade de cobrir o déficit atual e futuro de moradias no país. Estudo da FGV-SP aponta que serão necessários mais de 9 milhões de novos domicílios até 2027 para acomodar o crescimento no número de famílias até lá. O desafio será atender essa demanda e, simultaneamente, reduzir o atual déficit habitacional.

Respondendo à pergunta inicial

Neste setor, apesar da crise atual, as pessoas não deixaram de querer um imóvel. Grande parte dos brasileiros inclusive quer comprar imóveis e 2020 está sendo um bom ano para mostrar como o imóvel pode ser um porto seguro dentro do Planejamento Patrimonial. Entretanto, tem menos liquidez do que as outras aplicações financeiras e isto deve ser levado em consideração.

Portanto, estamos num excelente momento de comprar um imóvel, seja para investimento, seja para moradia. Pesquise, analise e faça a sua escolha. Caso tenha dúvidas, a Lidderar é especializada em trazer valorização e rentabilidade para seus clientes, estudando o mercado e suas nuances, para sempre buscar o melhor negócio, de acordo com o momento vivido. Qualquer dúvida sobre os temas aqui tratados, por favor, ficaremos contentes em lhe ajudar.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *